Traduzir/Editar.

Ver código fonte.

Mais uma vez, os dois guerreiros estavam encarando um ao outro. De um lado, estava um guerreiro que carrega um físico vantajoso, envolto por uma luz dourada brilhante; do outro lado, estava uma criatura gigantesca, armada com praticamente qualquer atributo associado com o mal - uma cauda, chifres e um sorriso sádico. O bem e o mal; qual era o seu verdadeiro papel nessa batalha? Por enquanto, nenhum dos lados parecia ter a resposta, ambos completamente encantados com o desafio que enfrentavam mutuamente. Ambos tinham seus orgulhos em jogo, com pouca atenção para o perigo real: o destino de um planeta inteiro… Para um, liberdade; para o outro, o prazer de quebrar e dominar um oponente poderoso.

Eles mediram-se mutuamente mais uma vez. A força própria, o tato do outro, as fraquezas exploráveis, qualquer abertura concebível. O olhar mútuo queimando ardentemente, músculos repletos de agitação à medida que eram seduzidos pelo desejo de triunfar.

Longe do campo de batalha, as testemunhas deste confronto observavam silenciosamente. Será que o amigo Saiyajin não dispunha de meios para derrotar o pai de Freeza? Matematicamente falando, ele não parecia muito mais poderoso do que seu filho, mas todos eles poderiam, no entanto, sentir as vibrações estranhas na flutuação em cada vez que ele parecia estar chegando ao auge de seu poder. O acordo, surpreendente apanhado pelas orelhas pontudas do Namekuseijin, era uma benção, ou será que acabaria sendo uma ruína para todos?

Apenas um deles não estava perguntando a si mesmo essa pergunta, o único a não ter ouvido a discussão entre os dois lutadores. Todavia, isso pouco importava. Mesmo que ele estivesse ciente do acordo, ele provavelmente não teria feito muito para mudar sua mentalidade. O príncipe Saiyajin ruminava em silêncio. Ardendo por incêndios de inveja e ódio, e envergonhado por sua impotência, havia pouco que pudesse fazer, a não ser contemplar como essas mesmas coisas destruíam seu coração e espírito. Ele teria gostado muito de lamentar a sua frustração na cara de todo o universo… se ele ousasse. O Saiyajin da lenda estava lá, bem diante dele… Ele, o guerreiro de elite, o príncipe de nascimento, o mesmo cujo pai, o rei, havia predito seu poder e glória… Glória… Que "glória" te espera quando você não é nada…? Nada comparado a isso…! Morrer somente agora estava fora de questão! O que aquele tolo do Kakarotto estava esperando para matar aquele Cold maldito?! Com essa ameaça fora do caminho, ele poderia se reerguer e restaurar a ordem natural das coisas… É melhor morrer do que deixar-se ser ultrapassado por um guerreiro de classe baixa, "lendário" ou não! Ele vai esmagar aquele maldito Kakarotto!


Son Goku não tirava os olhos da longa cauda. Seu adversário sabia como usar este apêndice adicional notavelmente bem. Um recurso incrível, curiosamente negligenciado por seu filho em Namekusei. Uma cauda muito mais terrível do que a videira peluda e flexível que ele usava nas viagens de sua infância. Mas, claro, ele também tinha sabido usá-la de forma eficaz diversas vezes, se não de forma maliciosa, durante suas batalhas e, por vezes, certos reflexos poderiam mostrar que ele não sentia mais desde que Kami-sama a removeu de forma permanente. Se ao menos não tivesse havido esse monstro dentro dele… No entanto, um trunfo, as vezes, pode esconder uma fraqueza, ele havia pagado para aprender.


Kulilin já não conseguia mais ver os dois lutadores apenas preguiçosamente ficando parados como cães dorminhocos. Para a sombra de Piccolo, ele lançou sua tensão entre os dentes:

– Vamos cara… coloque esse monstro no chão para mim! Você pode fazer isso Goku, eu sei que você pode… Faça isso já! O que você está esperando? Esmague a cara desse desgraçado roxo! Faça-o desejar nunca mais pôr os pés aqui! Faça-o comer a sujeira que ele quer destruir…!

Um suspiro profundo e um olhar glacial proveniente do canto do olho do altivo Namekuseijin inspirou-o silêncio, e o pequeno homem careca se curvou ligeiramente em desculpas. Não foi a muito tempo atrás, que esse demônio Namekuseijin simplesmente o teria matado, sem pensar duas vezes … Era melhor não incitar ele. Atrás deles, Tenshinhan finalmente tinha decidido sentar-se em uma pilha de pedras à sua disposição. Ele podia estar querendo esconder o sofrimento transfigurado em sua expressão normalmente neutra. Com seus braços quebrados escondidos no lenço que ele trouxe para o campo de batalha, cerrou os dentes e *deu à luz a dor. Apesar da oposição de Kulilin, não testemunhar esta batalha até o fim estava fora de questão. Porque era de grande importância, com certeza! Mas também, porque testemunhar lutadores de tal calibre em ação não era algo que se podia ver todos os dias! Quando viu o estudante do estilo Kame chegar até ele, ele sabia que era, mais uma vez, para oferecer levá-lo a algum lugar seguro.

– "Não há necessidade de desperdiçar seu fôlego, a resposta ainda é "Não"! Chaos não vai demorar muito, você sabe tão bem quanto eu."

Chaos! Claro… Kulilin havia esquecido dele.


Um sorriso fraco cresceu lentamente no rosto de Son Goku, enquanto seus olhos ainda fixos sobre o seu adversário gigantesco cresciam em tamanho. Um desprezo cruel foi a sua resposta educada.

O monarca mal tinha se movido antes de um flash substituir a imagem de seu adversário. Agora atrás de Cold, enquanto sua imagem posterior ainda estava ativa, Goku prontamente agarrou a grande capa para atirá-la na frente do rosto do rei. Uma blasfêmia foi ecoada, quando o lutador real rasgou sem hesitação a capa de suas costas.

Isso deu a Goku tempo mais que suficiente para lançar sua mão armada com puro ki contra o lado de seu opressor.

Um uivo terrível, que poderia fazer estremecer o céu, ecoou descontroladamente para fora da boca aberta do lutador titânico.

Em um movimento amplo, o Saiyajin jogou para longe o fruto de seu calculado e habilidoso ataque. Na areia e no pó manchado de sangue roxo, uma cauda grossa e macia se contorcia freneticamente como se fosse um animal de estimação perdido procurando seu dono.

Cold tinha perdido completamente a compostura; com seu rosto completamente torcido pela dor e raiva, saliva escorrendo pela boca, e sua respiração aparentemente acelerada em face de tal afronta.

–"VOCÊ!"

Em uma perda completa de palavras, ele furiosamente atirou-se contra inseto que ele estava prestes a desmembrar, para mostrar-lhe como é realmente feito! Mas Goku evitou a investida do gigante sem dificuldade. Incrédulo, o rei começou a vacilar; o chão estava praticamente dançando debaixo de seus pés! O que estava acontecendo com ele?

Bastou uma cotovelada, dada no intestino pelo Terráqueo adotado, para deixar Cold, desestabilizado pela perda de seu chicote caudal, caído de joelhos. Com suas mãos conjuntas martelado para baixo sobre o monarca completamente confuso, sofrendo com o agravamento da falta devido as suas inibições. Antes de um segundo golpe poder mandá-lo ao chão, o alien rolou para o lado, evitando o castigo que ele sabia que não podia dar ao luxo de sofrer. Em um movimento desesperado, sua mão apertou em torno de um um punhado de areia e terra para enviá-lo direto contra o pedaço de merda que tinha ousado humilhá-lo assim. A dor já tão acentuada foi o suficiente de uma desvantagem em que estava, tanto de seu intestino como de sua cauda, o último dos quais teve de suportar as irregularidades e arranhões do chão.

Nunca em sua vida tem ele teve que colocar-se com tal agonia! Isso vai custar caro para aquele macaco de merda! A raiva foi logo sendo substituída pela determinação quieta por uma longa e infinita alegre vingança. O universo inteiro tremerá na evocação da sua ira real e das suas consequências!

A velocidade de Goku lhe permitiu esquivar da nuvem de areia destinada a cegá-lo. Ele tinha que manter sua vantagem, se ele quisesse acabar com esta batalha. Ele tinha brincado ao redor o suficiente. Ele tinha certeza de que agora mutilado, o pai de Freeza ficaria louco de raiva. A única maneira de convencê-lo a manter-se fiel à sua promessa é mostrando a ele que realmente é o mais forte de uma vez por todas! Derrotado sem contestação, o tirano não deveria ter outra escolha, senão deixar a Terra sem oposição… com o rabo entre as pernas.

Parcialmente em pé, o rei agora sem cauda começava a bombardear a figura de seu adversário, que não parava de desaparecer e reaparecer em torno dele, sem nunca realmente bater nele. Antes que pudesse pensar em outra estratégia, uma joelhada vigorosa acertou sua mandíbula, seguida por um soco poderoso que rachou a maçã de seu rosto. Como poderia um Saiyajin ter a coragem de sequer tocar sua armadura, quem dirá diretamente seu corpo…? Ele! Rei Cold! Enquanto ele pensava que, um golpe cataclísmico chovia sobre sua pessoa majestosa.

Ele deu um passo para trás com cada golpe de poder devastador. Com as costas contra uma parede vertical, ele sentiu as rochas se estilhaçando contra suas costas, seu imenso corpo lentamente encaixando-se nela. Não havia tempo para ele recuperar o fôlego, para concentrar-se para formar uma defesa adequada. Seu cérebro completamente desorientado pelos choques constantes, a dor foi se tornando demais para ele suportar. Pela primeira vez em sua vida, Cold pensou em morte. Sua própria morte.

A experiência infernal terminou repentinamente. Ele estava tão confuso, que entrou em colapso. Mas, como se estivesse crucificado, ficou de pé incapaz de cair, prisioneiro de uma montanha como uma figura de ação em sua bolha fechada.

Em uma nuvem de pó estranha, ele percebeu uma figura coberta de ouro se levantando na frente dele… e então ouviu algumas sílabas que sua mente completamente destruída não poderia processar. Uma luz ofuscante…

Um grito de alegria coberto pela algazarra de um anel de explosão formidável rugiu da área onde o pequeno grupo estava escondido.

Os olhos de Vegeta se estreitaram. O que é que aquele idiota do Kakarotto está fazendo?

Ele era capaz de ser centenas de vezes melhor, até mesmo mil vezes… Não havia dúvida sobre isso! Qual era a desculpa patética desse ataque?

Se Piccolo pudesse ter ouvido a crítica interna do Saiyajin, ele não teria exatamente concordado. Aquele Kamehameha estava muito longe do que você poderia chamar de patético! Mas ele, no entanto, teve de admitir que seu ex-rival poderia ter certamente reunido energia muito melhor do que isso. Goku tolo, incapaz de acabar com seu adversário por causa de mudanças. Ele nunca vai entender!

– "Ele não matou você, e eu não entendo como você pode reclamar disso." de repente, apontou o pequeno homem à sua direita, como se ele tivesse lido sua mente.

O Namekuseijin tentou ameaçá-lo com um olhar sujo novamente. Mas Kulilin estava muito alegrado para deixar-se ficar intimidado neste momento. E com um sorriso um pouco pateta, ele respondeu seu estranho companheiro.

De volta ao campo de batalha, um silêncio promissor seguiu o tumulto causado pela explosão.

Um pico rochoso impressionante acabou de desaparecer completamente da paisagem, e dentro do cascalho restante que o tinha substituído, nenhum sinal de vida.

Ainda no céu, Goku esperava. Ele fixou os olhos sem piscar no ponto de impacto de seu ataque. Nada se movia mais, mas ele sabia que o seu adversário estava vivo, seu ki era prova disso. Fraco, enfraquecido, mas ainda vivo com muita força vital. Segundos, mais e mais segundos, um minuto… quase outro, mesmo…

Uma pedrinha rolou primeiro, sem qualquer outra coisa em movimento. Em seguida, outra seguida por mais que estavam a crescer em tamanho e número. Finalmente, o cascalho rochoso surgiu, como se estivesse inflando, para revelar uma figura debruçada encharcada de sangue. Sangue que era grosso e roxo, sangue da realeza, mas era o sangue de seres tão mortais quanto qualquer outra pessoa, franziu a figura empoeirado com a sua cor.

Cold lentamente ficou de pé. Ele permaneceu imóvel por um momento, com a cabeça baixa. Derrotado.

– "Você perdeu! Como nós concordamos, eu não vou matar você. Vá embora e esqueça de nós. Esqueça que este planeta sempre existiu. Vou levá-lo para a nave que me trouxe aqui."

Derrotado.

Quem poderia ter pensado que o rei Cold, o grande, o temível, o mestre sem igual de todo um universo em pessoa, iria dobrar de joelhos diante de alguém?

Derrotado.

O déspota ainda não tinha feito o menor movimento, como se estivesse petrificado pela camada de poeira que o cobria, além das várias feridas que expuseram seu sangue real, precioso.

Derrotado…

Derrotado?

– "NUUUNNNCCCAAAAAAAAA!!"

A figura que até então permanecia imóvel parecia ter literalmente explodido ao mesmo tempo que o uivo terrível foi ecoado dessa exclamação, gritando de modo que as testemunhas só poderiam descrever como uma ira divina.


Adicionar um Novo Comentário
ou Iniciar como usuário Wikidot
(não será publicado)
- +