Traduzir/Editar.

Ver código fonte.

OS INVASORES

Quando a nave imperial do frio parou sobre a capital, muitas formas de vida inteligentes já a cercavam, flutuando a certa distância… Não necessariamente uma distância respeitável. Uma das criaturas pretendia mesmo tocar o casco exterior da nave, mas parou assim que um de seus tripulantes, claramente o líder de um pequeno grupo, repreendeu a ação.

_ Bem, bem… Parece que todos eles são capazes de voar, e sem precisar de qualquer asa. Sem armaduras também… Eles possuem total controle de suas energias, para conseguir permanecer no ar desta forma.
_ Uma população inteira capaz de voar? Sim, certo. O que nós estamos vendo aqui são as suas tropas de elite. Veja, eles até estão em formação militar. A cidade é fortificada. Nós já entramos direto na verdadeira batalha.
_ Não são apenas esses! Vejo outros que claramente não são soldados voando também!
_ Hum… Então se trata de uma raça que pode voar, apenas isso. Eles não são namekuseijins também… A escotilha está abrindo, vamos!

Aquele soldado não percebeu o quanto estava equivocado…

A luz do sol entrou pela grande abertura da porta da nave. A 6° divisão de Chilled saiu, em formação, e permaneceram flutuando. Liderando-os, estava o general Sanana. Ele já havia especulado o potencial de seus adversários e levou todos os seus duzentos homens de uma vez. Quando todos já estavam do lado de fora, armas apontadas, os nativos partiram logo para cima deles, com seu líder à frente também.

_ O microfone! Ótimo, está funcionando…

O general raspou a garganta e falou alto, enquanto olhava nos olhos o líder de seus oponentes:

_ Eu sou o general Sanana, líder deste exército que representa o império dos demônios do frio, que governa tudo o que existe desde o começo dos tempos! Vocês também pertencem a este império e nos devem obediência! Agora, curvem-se e coloquem as duas mãos no chão como gesto de submissão! E se recusarem, serão eliminados!

Por um momento, só houve silêncio. O líder dos nativos olhou para o general de uma forma como se aquela ameaça fosse totalmente absurda. No meio das tropas, pôde-se ser ouvida a risada de um dos saiyajins, mas ele estava sozinho nisso e logo parou. Todos olhavam atentamente para aquelas estranhas criaturas, de aparência peculiar, que integravam a armada de Chilled.

_ Eu sou o líder do nosso exército, o exército saiyajin, que é governado… Por saiyajins, desde sempre. Nós não pertencemos a ninguém, muito menos a dinossauros ou pelicanos de rostos esquisitos que não fazem nem cinco minutos que colocaram os pés aqui! E se pensam que podem nos subjugar, haha… Eu os convido a tentar!
_ Ah, é sempre a mesma coisa… Nós vamos tratar de refinar a sua fala de apresentação.
_ Você sabe tão bem quanto eu, general, que isso é apenas o devido retorno pela sua hostilidade.

O general estava raivoso:

_ Em frente! Massacrem todos esses idiotas, destruam suas casas, não deixem nenhum sobrevivente, nem mesmo mulheres e crianças!

E com um grito rápido e curto, os soldados se dividiram em formações de três, a especialidade desta divisão. E avançaram contra seus oponentes desarmados.

Dois metros e meio de altura, contando com os dois chifres de touro que apontavam para cima. Uma causa de lagarto com espinhos na ponta, que matavam em média uma vez por semana. Dentro da hierarquia do lorde Chilled, o menor erro era pago com a vida, esmagada pela cauda do mestre. Era um de seus prazeres casuais. Braços cruzados, pernas imóveis, a cauda rapidamente cortava através do ar e logo o pobre oficial estava cortado ao meio pela violência do golpe, enquanto sua longa capa voava pelo local.

A poltrona do lorde ficava no centro, no coração da nave. Não para poder ejetar por ela, claro que não… Mas para controlar com precisão tudo que o cercava, com um alcance de muitos anos-luz. Uma construção imensa, feita dos mais sólidos materiais existentes, e assim sendo, o déspota não precisava se preocupar quanto a sua força.

Chilled sentou, brincando com seu cálice. Capaz de armazenar até um litro, o item feito de cristal era extremamente valioso, e frágil. Através de suas múltiplas facetas, o líquido dentro poderia refletir uma cor diferente, dependendo do ângulo. Naquele momento, ele ia de um lado para outro dentro do cálice, devido ao balanço que Chilled fazia enquanto o segurava com a ponta de seus dedos, enquanto observava as mudanças no reflexo… Mas de repente ele parou e recolheu a mão. O cálice caiu, mas o demônio rapidamente o apanhou antes que se quebrasse e tomou todo o seu conteúdo em um único gole.

_ Como a batalha está indo? Mostre as imagens lá de fora.

Como as paredes tinham uma parte de vidro, o exterior da nave podia ser visto em 360 graus. E então, a surpresa… A luta estava violenta como o esperado, mas não da forma que o tirano esperava… Aqueles nativos eram capazes de atirar energia das mãos. Podiam voar e lutavam com grande força e velocidade. Suas técnicas de luta eram rudimentares, mas eles eram inegavelmente poderosos.

_ Nós não estamos perdendo, estamos?
_ Receio que sim, meu lorde… Eles têm maioria numérica e são realmente fortes!
_ Hum, muito bem… Isso é bom, realmente bom. Ordene retirada. Eu vou me divertir um pouco.

O general Sanana estava muito ferido. Aquilo foi um massacre e também uma grande humilhação para seu regimento. Ele sabia o que estava por vir… A pergunta era se Chilled iria imediatamente para o campo de batalha ou se ele aguardaria que a armada retornasse à nave antes. Ele também sabia que sua sobrevivência dependia somente do humor de seu mestre. Por hora, a única coisa que ele podia fazer era conter o inimigo da melhor forma que pudesse.

Chifres quase tocando o topo da abertura, o monstro gigantesco que era o chefe apareceu à luz do dia. Com sua chegada, a julgar pela sua postura imponente e seu peso muito acima dos outros invasores, demonstrado pelos tremores que seus passos causavam, os nativos perceberam imediatamente que o nível da batalha estava prestes a mudar totalmente. Os soldados obviamente já sabiam disso, e se retiraram, deixando seus adversários para seu lorde. Adversários que, a partir daquele momento, não eram mais adversários, e sim presas.

Os vinte e sete soldados sobreviventes entravam de volta na nave enquanto Chilled levitava entre os saiyajins. Uma vez no centro do campo de batalha aéreo, ele quebrou o silêncio atirando, da ponta de seu dedo indicador, uma pequenina esfera de energia, quase inofensiva ao olhar, entretanto rápida, que o demônio deixou que fosse procurar por um alvo aleatório. E antes que os saiyajins fizessem qualquer movimento, como se tivessem sido hipnotizados, ela perfurou a cabeça de um dos guerreiros, como se fosse uma bala de canhão acertando um castelo de cartas.

Com isso, o massacre começou.

_ Exatamente como o previsto.

Abricota olhava atentamente a tela, tão logo a chefe reportava as atualizações.

_ O seu exército não é ameaça para uma sociedade avançada como a nossa, ou para uma raça forte como os saiyajins. Mas o líder deles é abominável! Então, aquilo é um demônio do frio! Ele está matando os saiyajins com tanta facilidade que até parece um hacker num videogame!

Outro observador acrescentou:

_ Vejam isso, um esquadrão de saiyajins atirou nas costas dele ao mesmo tempo… Vinte deles. O poder acumulado foi equivalente ao poder de fogo de um canhão AT-6. Nenhum dano. Sua capa está em frangalhos, mas ele mesmo não cede um milímetro!
_ Ele é tão denso que o impacto não o fez recuar o mínimo que fosse, sua levitação é muito poderosa… E o pior, me parece bastante óbvio que ele nem está lutando a sério.
_ Argh! Ele atingiu uma velocidade três vezes a do som, os circulou e os empalou apenas com as mãos! É um desastre!!!
_ Considerando que os demônios do frio fizeram civilizações mais avançadas que a nossa se curvarem, e a força bruta dos saiyajins também não é páreo para eles, o que nós podemos fazer?

Abricota interveio:

_ Nós ainda não esgotamos nossas opções de força bruta. Aquela saiyajin que pode se transformar, ela não tinha saído de casa há uma hora atrás?
_ Hum… Sim, ela está se dirigindo ao local. Logo nós vamos descobrir…

Longe dali, a grande cidade podia ser vista com a praia atrás dela. Hanásia nunca tinha pisado na capital, e não fazia idéia que o poder que havia atraído sua atenção a tinha guiado até lá. Mas ao ver o local, não restavam dúvidas. Uma cidade tão grande e com construções tão peculiares, muito acima dos padrões rudimentares de sua vila, aquele lugar só podia ser a capital.

O poder que ela havia detectar havia sido liberado poucos minutos atrás. Era hostil, e Hanásia podia sentir as vidas dos saiyajins desaparecendo uma após a outra.

_ Monstro, EU sou o rei do meu povo, venha lutar comigo!

Chilled soltou o corpo inerte que tinha na mão, deixando-o cair dos 30 metros de altura em que estavam. O demônio observou aquele que o desafiava… Sim, com certeza ele era o rei. Mas isso não faria a menor diferença… Chilled não tinha razão para honrar sua presença. Sem responder, ele irrompeu como um raio contra seu oponente. O rei mal teve tempo de bloquear o golpe que se seguiu, sentindo como se todos os seus ossos se quebrassem. Ele cuspiu sangue, e seu corpo foi arremessado diretamente contra uma das torres de vigilância do palácio real, que estava bem para trás dali. Preso na rocha, o rei perdeu a consciência.

Do topo da mesma torre, o conselheiro sentiu novamente a mesma sensação de impotência que ele havia sentido quando enfrentou o guerreiro milenar. Não havia sentido em tentar revidar… O que ele era, diante de tal monstro? Vendo o estado de seu rei, abatido daquela maneira com um único golpe, ele já estava se resignado a aceitar que tudo estava perdido… Foi então que, um ponto luminoso apareceu do horizonte, rápido como um relâmpago… E foi parar apenas a poucos metros do monstro.

Estranhos animais bípedes, vestidos, observavam a cena. Cadáveres de saiyajins e mais daqueles animais no chão e pelos telhados das casas. Dois saiyajins no ar, um deles com uma mão nas costelas, o outro sem um braço mas ignorando a dor e o sangramento. E no centro de tudo, um monstro enorme, ainda maior do aquele forasteiro vermelho que tinha ajudado contra o guerreiro milenar, coberto com sangue saiyajin. Ele era sem dúvida a fonte do poder maligno que ela havia sentido desde o começo. Essa foi a cena que Hanásia viu assim que chegou ao campo de batalha. Ela se aproximou dos dois saiyajins sobreviventes, que estavam a ponto de atacar mas pararam suas ações diante de sua chegada. Um deles, que era um dos soldados que tinham testemunhado quando Hanásia ameaçou Nizouki, disse:

_ É ela! Eu a reconheço!

Mas Hanásia não respondeu. Ela se dirigiu diretamente ao demônio do frio:

_ Monstro do céu, que veio para matar minha gente! Eu até poderia entender se você tivesse feito isso para se alimentar, mas você destrói só por prazer! Eu não sei daonde você vem, mas estou me lixando! Você deixa um rastro de sangue aonde quer que vá! Você matou tudo no céu, e agora vem fazer o mesmo aqui? Pois saiba que estes são seus últimos momentos!

Chilled deu um largo sorriso, e então desapareceu, para reaparecer com seu punho cravado no estômago de Hanásia, que foi dobrada ao meio. O demônio ainda se virou para acertá-la com a cauda… Os espinhos a perfuraram e a onda de choque a lançou direto contra o chão, centenas de metros abaixo.

_ Haha, você fala demais!

O tirano disse isso e se virou novamente para os dois saiyajins que haviam restado. Mas Hanásia não estava morta… Ela se sentou, empurrando os escombros de uma das casas. Sua ferida estava sangrando, mas não era nada realmente grave. Ainda que ela estivesse agora há uma distância considerável do campo de batalha, dezenas de cadáveres saiyajins estavam em volta. Aquilo fez sua ira atingir o limite… As pedras em volta começaram a flutuar, punhos e dentes cerrados, os olhos se tornaram verdes, e a longa cabeleira dourada… Finalmente, uma explosão de ki. Ela havia se transformado de novo. Ela era agora, mais uma vez, uma super saiyajin!

E estava pronta para aplicar sobre aquele que havia exterminado os seus semelhantes daquela maneira, apenas por prazer, um castigo que ela jamais havia aplicado igual antes.

_ AAAAAAAAAHHHHHHHHHH!!!

Então, com a propulsão de um foguete, ela disparou em direção a seu algoz.

_ É ela! Aquela que conseguiu lutar com o guerreiro milenar! – disse o soldado saiyajin.

_ Mas que poder é este? – Chilled perguntou a si mesmo quando a viu se aproximando, cada vez mais rápida. Ele chegou a pensar, por causa da luz, que ela estava atirando nele, mas não era o caso… Ainda.

Ele estava pronto para acertá-la no momento em que estivesse em seu alcance, mas ela se esquivou no último segundo, e o punho do demônio golpeou somente o vácuo. Hanásia começou então a chover pancadas sobre ele como se não houvesse amanhã, e com uma força que ele jamais havia visto num estranho antes.

Chilled foi jogado para a esquerda, para a direita, para a esquerda de novo… Na verdade ele estava sendo arremessado em todas as direções. Aquele poder, aquela força, só existiam em demônios do frio… Tal nível só poderia ser encontrado em membros de sua família. Ele teve que se recompor. Ele teve que se recompor!

O monarca conseguiu, com dificuldade, sair fora daquela chuva mortal e manteve uma certa distância. Perplexo, ele disse, enquanto olhava sua estranha oponente:

_ Incrível… Isso é impossível! Foi você quem emitiu aquelas ondas anormais pelo espaço?

Os homens de Chilled mal podiam acreditar no que viam. Isso nunca tinha acontecido antes. Seu lorde jamais havia sido acertado por um oponente antes. Nunca!

Hanásia falou com o demônio.

_ Muitos assassinos já cruzaram o meu caminho. Homens loucos que se divertem matando. Porquê vocês são assim?
_ Hein? Você tem um poder reservado apenas para aqueles que estão no topo da hierarquia. Você deveria entender isso… Nosso poder é o da morte. Tudo o que vive pertence a mim, assim sendo é meu direito decidir quando um ou todos devem morrer.
_ Isso é estupidez!
_ O quê? Mate os insetos para que eles saibam quem é o seu deus. E mesmo que você não seja um inseto, eu ainda sou o seu deus. E eu vou te provar isso… Você vai morrer.

***Nota: para os demônios do frio, a palavra “demônio” em “demônios do frio” significa o mesmo que deus.

_ Seu único propósito na vida é matar outros? Pois você vai ser o único que vai morrer!

Hanásia não sentia mais a dor de sua ferida. A transformação a fechou. Ela estava com força total e não iria permitir que aquele monstro continuasse vivo. Ela se lançou à batalha não só com a intenção de vencer… Mas matar.

Chilled havia mudado completamente seu comportamento na luta. Agora ele estava levando a sério, contra um oponente digno. Foi terrível como aquela criatura o havia sobrepujado, e ele pensou em vasculhar cada centímetro daquele planeta para procurar por mais informações sobre os seres daquela raça. Mas aquele não era o momento de pensar em projetos futuros… Aquela batalha não seria fácil.

Trocando ataques, eles agarraram os braços um do outro e uma disputa de força começou. Se um deles cedesse, poderia acabar abrindo uma brecha para o oponente conectar um golpe… A aura dourada que cercava a guerreira aumentou, como consequência de ela estar se esforçando mais. O demônio começou a sentir a fadiga nos músculos e compreendeu que ela tinha mais força bruta do que ele! Inacreditável!

Chilled finalmente cedeu e pôde sentir uma dor aguda em seus braços, e Hanásia imediatamente afundou dois golpes no estômago do demônio. Ele sentiu os impactos no seu corpo todo, e rapidamente recuou para evitar um terceiro – mas ela já estava atrás dele. Ele disparou alguns tiros rápidos nela, mas atirar muito rápido peca em poder, e o efeito no rosto de Hanásia foi o mesmo que se tivesse jogado água… Nenhum. E ela continuou com seu castigo… Uma joelhada no rosto, e antes que o monarca pudesse sequer abrir os olhos novamente, ela já havia agarrado sua mão, e usando isso como alavanca, esticou o corpo e afundou seu pé na cabeça do demônio, tudo isso enquanto realmente torcia o braço dele.

A força do golpe foi tanta, que as pupilas de Chilled ficaram totalmente brancas por alguns segundos.

Aquilo foi o bastante. Ele carregou energia em seu braço machucado, e desta vez uma quantidade significante de poder. Como Hanásia estava em corpo-a-corpo, não foi difícil acertá-la, e o ataque carregou a saiyajin até que ambos foram se chocar contra o chão, detonando uma explosão. Mas quando a poeira se dispersou, ela já estava de pé novamente. Suas roupas estavam queimadas e ela tinha algumas escoriações e arranhões, mas nada grave. Ela tomou alguns goles de ar antes de voar de volta para a batalha.

Chilled colocou seu ombro no lugar, contendo a própria dor enquanto sentia os ossos se encaixarem no lugar, e se preparou para o que estava por vir em seguida.

_ Deixar ela viva valeu o risco, não?
_ Haha, eu acho que os povos de outros sistemas vão adorar ver essa cena… Nossa garota saiyajin esmagando este demônio do frio!

Mas a chefe do serviço espacial dos tsufuls não estava tão empolgada.

_ É, mas isso também pode trazer algumas complicações… Primeiro, isso marca o fim do nosso isolamento. Nós vamos poder nos comunicar e comercializar livremente com outras civilizações, mas, todos irão querer o poder dos saiyajins. Se nós não quisermos naves indo e vindo querendo pegá-los à força para estudá-los, nós vamos ter que protegê-los e manter o planeta sob constante vigilância, com naves de batalha sempre a postos.

Todos pensaram sobre o que ela disse. Então, era o fim de uma era. Certamente, em um espaço de poucos anos, eles poderiam estar vivendo junto com outros aliens… E poderiam fazer novos inimigos também. Era necessário contar aos saiyajins sobre os novos perigos que agora ameaçariam as duas raças.

_ Se os demônios do frio são inferiores a um saiyajin muito poderoso, isso marca o fim do seu reinado. Nós somos aqueles que possuem a arma capaz de destruí-los. Mas, eu me pergunto… Isso não está fácil demais?

Todos olharam para o monitor gigante. A saiyajin iria ganhar, disso não havia dúvida. O demônio tinha técnicas estranhas e nunca antes vistas, mas ela era mais forte, mais rápida, e mais resistente.

_ Você acha que ele pode estar escondendo alguma coisa? Ou isso é normal porque nós somos provavelmente o único planeta no universo a abrigar criaturas como os saiyajins? Ou as duas coisas?
_ Acredito que sim, e também acho que se nós fomos capazes de lidar com uma ameaça tão grande como o guerreiro milenar, outras civilizações poderiam ser capazes de fazer isso também. Então porquê os demônios do frio não foram eliminados da mesma maneira?
_ Os guerreiros milenares são bestas irracionais. Os demônios do frio são uma raça de imperadores astutos.
_ Bem colocado. Uma última coisa: porque o tal Kaioshin do Leste, que às vezes usa os outros pontos cardeais, não eliminou os demônios do frio também?

Um dos tsufuls, que até agora não tinha dito uma palavra, respondeu e todos se viraram para ele:

_ Porque não era problema dele. Eu encontrei essa informação em redes extraterrestres. O chamado Kaioshin do Leste, a serviço do universo há cerca de dez milhões de anos, se não mais, interferiu somente em casos que envolviam ameaças em escala universal. A questão com os penosos tiranos do frio não era de seu interesse.

Se fez um momento de silêncio, e ele continuou:

_ O poder do guerreiro milenar aumentava constantemente e ele matava tudo o que cruzasse seu caminho. Ele era uma ameaça digna de atenção, principalmente pelo risco de ele ficar indo de um planeta para o outro.

A chefe olhou para a tela, cujos indicadores de poder começaram a piscar mais rápido, ao mesmo tempo.

_ Ah… Eu acho que aquele algo secreto que nós temíamos está prestes a acontecer.

No exército de Chilled, o sentimento era de consternação. Contra esta estranha criatura de luz, tudo o que o monarca pôde fazer foi mal mal tentar se proteger. Os soldados viam, pela primeira vez, o sangue de seu chefe. Sangue em seu rosto, sua capa rasgada em trapos, e sua armadura em pedaços. Sua posição de batalha era defensiva.

Somente a fé do general Sanana não estava abalada. Ele sabia que seu chefe não podia ser derrotado, e sabia também o que estava prestes a acontecer. O monarca, agora mais alto no céu do que Hanásia, não desceu de seu pedestal:

_ MISERÁVEL INSOLENTE! VOCÊ VAI SABER O QUE É ENFRENTAR UM SENHOR DOS DEMÔNIOS DO FRIO! VOCÊ VAI TER UMA MORTE RESERVADA APENAS PARA OS MAIS FORTES! VOCÊ DEVERIA ESTAR GRATA!

Chilled assumiu uma posição fetal. Sua energia começou a aumentar mais e mais, como havia acontecido com o guerreiro milenar. Seu corpo começou a mudar… Os espinhos em sua cauda cresceram. A cabeça inflou e depois se alongou, ganhando alguns espinhos também.

Nesse momento, um único pensamento se formou na cabeça de Hanásia:

« Eu preciso acertá-lo enquanto ele está inerte. »

E ela avançou diretamente contra ele.

Os olhos do general Sanana se arregalaram diante de tal afronta. Atacar o lorde durante a sua transformação? Que sem vergonha! Como ela se atreve? Então ele deu a ordem ao que tinha restado de sua armada:

_ FOGOOOOOO!!!

Hanásia sentiu algumas poucas explosões em seu corpo, mas sem efeito algum. Ela apenas fez um movimento circular com uma das mãos na direção dos soldados, e uma lâmina de energia foi direto contra eles, cortando, com uma precisão inesperada para um movimento tão simples, a maioria absoluta dos alvos que estava alinhada perto da nave.

Metades de corpos caíram, e Hanásia já estava no monstro – literalmente. Ela enrolou as pernas ao redor do corpo dele e agarrou o crânio com as mãos. A energia oriunda da transformação a queimou. Ela estava empurrando o crânio dele com todo o poder que ela tinha. Chifres nascidos da transformação perfuraram seus braços.

Chilled sentiu uma dor aguda. Ele tinha que se mexer. Mas ele estava no meio da transformação, e não tinha como interrompê-la agora. Ele sabia que cada transformação iria curá-lo, fechando qualquer feria que ele tivesse sofrido anteriormente, mas desta vez era o seu pescoço que estava sendo atacado. Então o demônio contraiu os músculos o máximo que pôde, para resistir ao assalto.

Hanásia, apesar da sensação de queimadura, agarrou firmemente a cabeça dele, e começou a girá-la ao redor de seu eixo. Foi difícil, mas ela colocou todo o seu poder naquilo. E então se seguiu o sinistro som de um “crack”, um som que era o sinônimo de vitória caso você fosse um saiyajin.

A cabeça do demônio agora estava olhando para as próprias costas.


_ Traduzido por Akroma


Adicionar um Novo Comentário
ou Entrar como usuário do Wikidot
(não será publicado)
- +